© 2016 por Ricardo Iztlimitl. 

  • Instagram
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
Buscar
  • Ricardo Iztlimitl

Xoloitzcuintle

Atualizado: 15 de Ago de 2019

Quando os europeus chegaram ao Anahuac (terra cercada de águas - America nos dias de hoje) no século XVI, ficaram realmente impressionados com a riqueza que lhes rodeava.

Entre as muitas novidades que encontraram, havia uma criatura a que inicialmente confundiram com um cavalo anão. Tratava-se do Xoloitzcuintle, um cão ancestral endêmico do México Precuauhtemoczico. Pesquisadores especialistas em arqueologia garantem que tem mais de 5 mil anos de existência e a evidência arqueológica. Em um princípio mencionou que os Xoloitzcuintles existiram entre 3 mil e 5 mil anos atrás, embora de acordo com pesquisas antropológicas atuais, podemos citar a sua origem há 7 mil anos, sendo eles companheiros fiéis dos antigos colonizadores do centro do país.

Os Xoloitzcuintles acompanhavam o homem em suas migrações através do estreito de Bering. Pode ser considerado como um dos cães mais antigos do mundo e certamente o mais antigo do que atualmente é chamado de América.

Na mitologia precuauhtemoczica, o termo Xoloitzcuintle provém do nahuatl: *Xolotl*, que significa enrugado, e *itzcuintli*, que significa cão. Falaremos mais sobre Xolotl e seu vasto siginificado em outro post Em Anahuac, Xolotl era uma representação da transformação e da duplicidade, da escuridão noturna(o EU oculto) e do desconhecido. Era considerado o Nagual de Quetzalcoatl e era representado como um homem com cabeça de cão.

O Xoloitzcuintle era considerado um animal sagrado, um guardião e aliado transcendental pois acreditava-se que acompanhava os seus mestres ainda depois da morte no seu trânsito em direção ao Mictlan (submundo), e por isso ele era enterrado ao seu lado. A sua inteligência assim como o seu temperamento fiel e vigilante, o faziam perfeito como cão de guarda e de companhia; e a sua falta de pelagem causada por uma mutação genética, era ideal para tratar enjoos e reumatismos ao deixá-lo dormir sobre a área afetada e para fazer as vezes de 'Aquecedor' nas noites frias. Acreditava-se também que estes cães tinham a capacidade de proteger as casas dos espíritos malignos.

Os povos do Planalto Central do México e todo o Anahuac também criavam estes cães pela sua carne. As Crônicas do século XVI contam com altos números de cães servidos nos banquetes. Na verdade, durante a invasão europeia, os espanhóis começaram a usá-lo também como fonte de alimento para as suas expedições. Por isso e por estar tão intimamente ligado à simbologia religiosa e cerimonial dos diferentes povos do Anahuac, coisa com a qual os espanhóis queriam acabar, o Xoloitzcuintle esteve à beira da extinção porque ele estava tão enraizado com os rituais e costumes de todos. Os povos e os frades viram eles como mensageiros do diabo, ordenando a sua matança. Muitos Xoloitzcuintles por inteligência e instinto fugiram sendo obrigados a refugiar-se nas serras de Oaxaca, onde encontrou o seu novo lar sobrevivendo durante centenas de anos através dos seus instintos.

Após a revolução mexicana, a imagem do Xoloitzcuintle foi adotada por artistas como Frida Kahlo, Diego Rivera, Rufino Tamayo e Raul Anguiano como um dos símbolos nacionalistas que tentavam recuperar a identidade mexicana.

Apesar dos seus milhares de anos de história no México, a raça não recebeu reconhecimento oficial no México, mas até aos anos cinquenta, em que a Federação Cinófila Internacional compreendeu que a raça desapareceria se não fossem tomadas medidas drásticas para a proteger. Foi assim que uma importante expedição foi impulsionada em 1954 com especialistas mexicanos e britânicos para encontrar os Xoloitzcuintles puros nas áreas mais remotas do México.

Eventualmente, foram encontrados dez exemplares que eram de raça pura e estavam saudáveis, e com eles foi lançado com sucesso o programa para reviver a raça. A sua popularidade não é muito alta, comumente porque a sua falta de pelagem não é agradável para algumas pessoas, mas para outras e muito especialmente entre os criadores, cada exemplar é muito precioso, chegando a alcançar os dois mil dólares ou mais pelo seu valor histórico, cultural e biológico e a sua relativa escassez em comparação com outras raças.

Proteger o patrimônio que define cada nação é fundamental. #ayahuasca #tolteca #uni #nixipae #rapé #medicinasagrada #castaneda #xamanismo #xamanismonativo #xamanismofeminino #xamanismourbano #curaancestral #forçadafloresta #ritual #yawanawa #hunikuin #shawãdawa #temazcal #tendadosuor #santodaime #udv #chacrona #jagube #povosnativos #rodaderapé #cantoria #fogueira #gratidão #caminhovermelho

46 visualizações