A BUSCA DA VISÃO
KANIN KA OTHLI TEMIKI
AONDE ESTÁ O CAMINHO DE SEU SONHAR

Falar sobre a busca da visão, é falar da montanha, a montanha do espírito. Em todas as culturas antigas, se vem buscando a solidão e a pureza das montanhas para fazer um retiro e encontrar-se com o mais puro e universal do ser humano. Assim, na tradição Tolteca-Mexica, subir a montanha ou entrar nela em cavernas, foi e ainda é, um ritual para encontrar o Espírito, se livrar dos costumes e das atividades comuns do cotidiano para dispor de um tempo dedicado a nosso espiritual. Então a pessoa sente em seu coração o chamado de Montanha, da liberdade de optar por essa entrega e se retirar em solidão na natureza, e buscar enfrentar seu Yaotl “o inimigo interior”, chamamos essa jornada por encontrar seu Tepeyolohtli “El corazon de los Montes”, o conhecimento interno que cada pessoa tem a obrigação de desenvolver com trabalhos e disciplina de integração. É preciso ter uma relação de irmandade, de espírito para espírito entre os aspirantes a subir a montanha junto com os líderes de busca, que apoiará em todo o possível, a cada um em seu caminho pela montanha.

O líder de busca, encontra um lugar apropriado para o buscador na montanha que pode ser uma caverna, uma árvore, um lugar aberto para o céu. Será um lugar aonde o buscador ficará sozinho, sem ver outras pessoas, na natureza. Durante quatro dias e quatro noites, o buscador terá muitas oportunidades de estreitar sua relação com o universo, com a mãe terra e o avô sol.

A abstinência de comida e de água, o silêncio e a solidão, ajudarão o buscador a se conectar com a autenticidade da sua intenção e se livrar das exigências e condicionamentos da mente que tanto nos distrai dos verdadeiros objetivos da vida. Chegar a uma compreensão do sacrifício(Sacro Ofício) a partir de liberdade, nosso interior vem a tona e os medos, os preconceitos e ideias herdadas e recolhidas ao longo da vida, que acabam criando desconfiança em nós mesmos e nos impede de reconhecer e sentir a dimensão da vida espiritual. É na montanha que descobrimos o sentido da nossa vida aqui na Terra, aonde temos uma visão com o “coração” de nossas vidas .
Estar sozinho, recolhido com a natureza é descobrir a grande importância do nosso relacionamento com as outras pessoas, com a nossa família de sangue, nossos amigos, nossa família de Espírito. Percebemos que todas as formas de vida são nossa família. Vemos o tempo e os diferentes momentos de nossas vidas como uma unidade que leva a nossa essência, a nossa evolução como espíritos através de todos as nossas relações. Sentir o calor, o frio, a grandeza de nossa Mãe Terra e do universo, se sentir aberto ao movimento da vida com confiança e paciência, e lá na montanha sagrada do espírito, tem vários momentos que nos sentimos acompanhados pelos irmãos de espírito, os irmãos do outro lado. Compreendemos que por toda nossa vida temos sido amados cuidado e ajudado por esses irmãos que sabem quem nós somos em essência e que estão ali para nos ajudar a recordar desta essência, da liberdade do nosso espírito para realizar os verdadeiros propósitos da vida.

Rezar na montanha para o Grande Mistério com toda nossa mente e coração, sentir o amor puro e a gratidão com cada uma de nossas células, com todo nosso ser e dar espaço para o amor que sentimos por nossos irmãos, por todas as nossas relações, sentir-se vivo e parte do Todo e estar em paz com nós mesmos.

Se conectar com a alegria que vem de dentro e que é nossa força para seguir adiante.

Sempre, antes de subir a montanha e voltar, o buscador entra no Temazcal para ser purificado e abençoado. Ao longo de todo o ritual da busca de visão se celebram cerimônias de medicina, temazcal e círculos com o cachimbo sagrado, todos os participantes e apoiadores do acampamento participam com o propósito de apoiar os buscadores que estão na montanha.

 

 

O grupo de apoio

Muitos pensam que esta cerimonia é a montanha e estar nela, porém, para aqueles que realmente estão em uma busca por si mesmo e por sua missão na vida, aprenderão que aqui no Brasil se plantou uma ILUSÃO de que a montanha e aqueles que sobem nela são “especiais”, ledo engano, quando em minhas caminhadas tive contato com comunidades, sejam aldeias em reservas ou pueblos já urbanizados, porém, enraizados nas terras de seus antepassados e em sua cultura, percebemos que é no trabalho, no convívio e no Rezo no acampamento que todas as nossas perguntas e respostas são lapidadas para a montanha e que depois que baixamos dela é no trabalho de apoio que elas se materializam.

Nossa sociedade desconectada dos ritos ancestrais e de seu conhecimento, órfã de Pai divino e mãe divina, e com fragmentos recuperados no mundo urbano, tenta estabelecer uma egoica conexão com Deus, sem compreender verdadeiramente e sem aceitar humildemente o que nossa espécie levou centenas de milhares de anos para desenvolver, portanto, imediatista e capitalista, ainda busca burlar o tempo e comprar sabedoria, sendo que sabedoria é filha da experiência.

È no apoio que os jovens são lapidados para ter em seus corações a real dimensão do que é subir a montanha e é no apoio que se é colocada em prática estes aprendizados, em uma escola de tradição séria, não devemos enaltecer os círculos de busca, de dança de sol ou lua e não compreender que o que se faz nos circulo é aprender a rezar para o todo e que uma vez aprendido dentro se deve fazer fora do circulo, e que mesmo fora do circulo nas surpresas que se apesentam no trabalho e no rezo dinâmico do acampamento, ali se pode aprender tanto quanto, depende de cada um.

Durante todo o tempo da busca, os buscadores que estão na montanha têm um grupo de apoio, que mantém e guardam o fogo sagrado acesso e em rezo 24 horas x 4 dias, realizam 2 Temazcais por dia, 4 rituais de cantos de apoio aos buscadores, além de cuidar da cozinha, das crianças e dar suporte a todos os afazeres que mantém um acampamento durante o ritual e ver a importância de tudo e todos em todos os âmbitos de uma comunidade, quando prontos para conduzir uma cerimonia da busca, não subimos mais a montanha fisicamente, mas, em nossos corações, a montanha estará finalmente em ti.